Alunos de Direito vivenciam profissão na prática no Núcleo de Práticas Jurídicas

 

Um espaço que beneficia a comunidade e a formação acadêmica dos estudantes de Direito

Criado em 2005, o Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário Uninovafapi, sob a coordenação do professor Marcelo Martins Eulálio, funciona como um complexo de assistência jurídica, que compreende o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ), um anexo do juizado especial e o CEJUSC (Centro Judiciário de Solução e Conflitos).

Alunos a partir do sétimo período, sob a supervisão dos professores, fazem atendimentos e encaminhamentos com a população que reside nas proximidades do Centro Universitário. O que é de competência do juizado, os estudantes fazem  atendimento e elaboração das petições.

“Nosso papel aqui é fazer o atendimento e fazer as petições que são de competência desse anexo aqui, do juizado especial. Aqui eles aprendem essa prática do atendimento, que é essencial. Aquilo que não é da competência do anexo, nos encaminhamos para os órgãos competentes. O certo é que a gente procura não deixar a pessoa sem ajuda”, explica o professor Marcelo Martins.

O professor Marcelo também ressalta que o serviço presta um grande serviço para a comunidade ao mesmo tempo em que propicia ao aluno uma experiência muito positiva. “Aqui ele coloca em prática o que aprendeu em sala de aula, principalmente as disciplinas processuais, além de coisas que não aprendemos em sala de aula. Então, posso dizer que aqui é acolhimento, é saber escutar as pessoas e as demandas. Sendo assim muito importante para a formação ético-profissional do aluno”, afirma o coordenador do núcleo.

Camila Santos Batista, aluna do sétimo período do curso e conta como é a experiência de atuar no Núcleo. “Na sala de aula a gente convive muito com os livros e aqui nós vemos muitos casos práticos que nós vamos usar, principalmente, quando a gente for começar a advogar. São casos simples, cíveis, abaixo de 20 salários mínimos e que a gente consegue resolver facilmente, apenas com a orientação do professor. É muito importante, porque na aula a gente vê muito a teoria, é tudo muito à letra da lei e aqui não, é o dia-dia mesmo. É onde as pessoas chegam contando seus problemas e nos tentamos resolver da melhor maneira possível”, relata a estudante.